domingo, 15 de março de 2015

Estamos calculando a rentabilidade de forma errada???

Bom domingo a todos!

O domingo do gigante realmente acordar e dar o primeiro grito visando colocar essa corja de corruptos, ladrões, incompetentes, descarados, não patriotas, demagogos e comunistas do dinheiro dos outros para fora do poder.

Bem, estou muito preocupado com um fato : sem perceber, e até enganados do contrário, os brasileiros estão empobrecendo. E quando perceberem isso será muito tarde.

Cabe a nós, "elite branca", aquela que reclama a toa, de barriga cheia e que por puro mérito não temos o direito constitucional de nos manifestarmos, na visão dos nefastos, acordarmos o país. Nem importa se és branco, negro, asiático, índio, mestiço... Se você pensa um pouco e percebe o que ocorre no país está no rótulo petista da chamada "elite branca" e você está, como qualquer outro brasileiro empobrecendo.

A questão é : calculamos nossa rentabilidade, nosso ganho patrimonial, na nossa moeda. No entanto, vejamos o que ocorre. Durante muitos meses do ano passado, o grande pensador e gênio Ministro Mantega, municiado pela brilhante economista Dilma, fez entre outros serviços ao país uma enorme inundação de dolares, contendo o cambio de forma artificial.

Hoje, calcula-se (embora isso seja muito controverso - mercado cambial é um problema!) que o dólar justo seria ao redor de R$ 3,10. No entanto, com tantos problemas econômicos, de infra-estrutura, políticos e de corrupção o preço está indo ao teto, na base da especulação.

Oras, todas as moedas estão se desvalorizando frente ao dólar, mas o real está num ritmo sem igual. De qualquer forma, o dólar é referência para o mundo.

Assim, fiz uma revisão rápida, até para não entrar em depressão, de como está a evolução de meu patrimônio. Ora, em 6 meses cresci pouco mais de 40%. Fantástica evolução, não?! Talvez... Depende sob que prisma se observa. Assim, fiz o cálculo baseado no dólar, em cada momento :
Como podem ver ainda assim a evolução foi boa, mas ressalto : o aporte foi volumosíssimo, e isso é que segurou a ponta do lado positivo.

Gostaria de sugerir que, de curiosidade, façam o mesmo.

Usem como base as seguintes cotações :

Final de set 2014 : 2,44
Final de out 2014 : 2,47
Final de nov 2014 : 2,57
Final de dez 2014 : 2,65
Final de jan 2015 : 2,68
Final de fev 2015 : 2,85

P.S.: Se fizer isso no final de março de 2015 certamente entrarei em depressão!!!

15 comentários:

  1. Dá até medo de calcular isso! rsrsrsrs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Calcula ai e me diz!!!! Pelo menos o de fev 15 e o de set 14

      Excluir
    2. Fiz o cálculo aqui e minha carteira em reais cresceu 18,39% nos últimos 6 meses, enquanto a carteira em dólares cresceu apenas 1,39%. Minha carteira não é lá grande coisa, os novos aportes representam em média menos de 2% do valor total.

      Excluir
    3. Por curiosidade também fiz esse calculo, e o resultado não é muito animador.
      Tomando o mes de setembro como base, e fechando no mes de janeiro:
      Em Reais, cresceu 25.92%, saindo de R$ 46.254 para R$58.596
      Em Dolares, cresceu 7.81%, saindo de $ 19.071 para $20.560

      Agora se eu incluir o preço atual do dolar em março até o dia 13.
      Em Reais, cresceu 22.65% e esta em R$ 57.053.
      Em Dolar, cresceu -7.65% e esta em $17.615.

      Mas se for contar o rendimento em dolar quase todo mundo se fudeu, rs.

      Excluir
    4. Valeu IV

      É desanimador, bom amigo, porém tal qual o é nosso cenário nacional atual.

      Excluir
    5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    6. Entre setembro de 2014 e fevereiro de 2015, perdi 5.759,64 dólares, o que equivale a -7,33%.

      Na cotação deste exato momento (R$ 3,23), teria hoje apenas US$ 69.407,72. Ou seja, perdi mais de 9 mil dólares, mesmo acumulando, de setembro de 2014 para cá, mais de 32 mil reais.

      Abraço!

      Excluir
  2. Então, para ter certeza da independência financeira, será que deveríamos balizar em dólar, para ter um parâmetro mais fidedigno desta independência?
    Abraço Guardião!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bagual, penso que sim.

      Pense na expressão milionário. Ter um milhão de reais por conceito é ser milionário, mas convenhamos isso não traz independência financeira em um nível de conforto.

      No entanto, 1 milhão de dólares (cerca hoje de 3 milhões e 200 mil reais) sim.

      O que você pensa???

      Excluir
  3. Acho que seu argumento e' bom, mas note que determinar sua riqueza em qualquer moeda e' um problema. Mesmo o dollar sendo mais estável que outras moedas, ainda assim ele sofre desvalorização resultante da inflação. Quem e' rico não se importa se o valor da sua fortuna e' um certo numero em dólares, reais, ou seja qual a moeda. O importante e' possuir ativos que não são atrelados a uma moeda: imóveis, ações de boas empresas. Por isso que renda fixa e' algo que deveria ser uma parte minima de uma carteira de investimentos, na minha opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, mas essa proporção entre renda fixa e renda variável depende do momento, do perfil e das condições também do investidor.

      Excluir
    2. Valeu Carlos

      Acho que são duas coisas diferentes! Diversificação é a segurança. Sempre. E imóvel físico, apesar das críticas, sempre trouxe segurança.

      Concordo com o DH no que ele afirma.

      Por fim, ressalto apenas que mensurar a evolução em dólar teria menos viés.

      Abraços

      Excluir
  4. Tenho recebido essas dúvidas no meu site.

    Se devemos balizar a rentabilidade em Real ou em Dólar.

    Não existe resposta perfeita. É possível medir a rentabilidade em qualquer moeda ou mesmo em gramas de ouro.

    O fator inflação realmente é muito importante. Se for a questão de se escolher uma moeda com baixíssima inflação, deve-se escolher o franco suiço, já que a inflação na Suíça nos últimos anos tem sido negativa e nos últimos 50 anos foi de 2,5% ao ano em média.

    Por isso que é impossível prever independência financeira com tanta antecedência em meio ao cenário inflacionário volátil do Brasil.

    ResponderExcluir